CRÔNICAS DE NEGÓCIOS

Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade

Mario Persona
contato@mariopersona.com.br

Eu era pequeno para um tão grande passo. Não que pretendesse conquistar a Lua, mas aos dezesseis anos rumava para os Estados Unidos em um Boeing 707. Era o ano de 1972 e os jovens que lotavam o avião gastariam os próximos seis meses estudando e aprendendo a viver em um ambiente estranho. Para combater o tédio da viagem, alguém começou uma guerra de travesseiros. O professor que nos acompanhava, cochilava na primeira poltrona, alheio ao pandemônio armado no interior da aeronave. 

No aeroporto, o casal que me adotaria como filho temporário soltou uma rajada de inglês. "What?", lati. Logo comigo, que só dominava o "the book is on the table". Ao chegarmos em casa, a "mother" apontou para o quarto e disse: "You will sleep with our fifteen year old son". Eu entendia "sleep" e sabia contar até "fifteen", mas faltei na aula do "son". Em minha tradução mais otimista aquilo significava "filha". Até conhecer George. 

Numa época em que o espanhol ainda não era a língua falada nos EUA, fui acometido de um verdadeiro pânico por não poder me comunicar. Por não compreender o ambiente, minha reação natural foi de odiar o país. Mas à medida que meu vocabulário aumentava, meu sarcasmo crítico diminuía. E minha bexiga também, depois que a professora passou a entender meu inglês e a me deixar sair. 

O desconhecido sempre nos parece hostil. Uma verdadeira Lua de esterilidade. Neil Armstrong estava certo, quando disse que seu pequeno passo seria um grande passo para a humanidade. Mesmo que não tivesse dado o passo, só de estar lá já era grande coisa. Para o bom empreendedor, meio passo basta. Erra quem tenta saltos impossíveis naquilo que não domina. A Internet, por exemplo, que tem se mostrado maior que a Lua. Pelo menos em sua influência na maré da comunicação. 

Sei que vamos rir de empreendimentos que foram capa de revista nos últimos poucos anos. Não daremos gargalhadas, mas nos lembraremos deles com aquele sorriso caridoso de quem assiste filmes antigos mostrando gente tentando voar com asas de papelão. Filmes mudos de homens surdos, que pulavam das pontes sem escutar o meio. Tentativas tão efêmeras quanto os sucessos de maquiagem que testemunhamos na infância da Internet. 

Como eu culpava os EUA, hoje muitos culpam a Internet por seus próprios insucessos. Não tentaram assimilar o meio antes de poder dominá-lo. Não aprenderam a falar sua língua. O networking é o idioma da Internet, indecifrável para quem não quer sair do isolamento de uma sociedade pré-entretecida. No judô você usa o impulso do adversário para derrubá-lo. Na rede você soma todos os impulsos de seu networking para mover sua empresa, seu produto e até você. 

Adicionamos a capacidade de difusão por capilaridade em um produto que criamos e funcionou muito bem. A empresa que adquire o sistema convida seus fornecedores e clientes para serem usuários, integrando seus processos de compra e venda. Cada parceiro que percebe o benefício, decide adquirir a solução para fazer o mesmo com sua própria cadeia de suprimentos. E convida seus fornecedores e clientes para utilizá-lo. E o ciclo se repete, em uma sucessão de vínculos. Afinal, até quem chegou só no "the book is on the table" deveria saber que "Web" significa "teia". 

Primeiro compreender o ambiente, depois tomar uma atitude. Se o professor que nos acompanhava no avião tivesse agido assim, teria evitado o vexame. Seu cochilo terminou com a pancada de um travesseiro perdido. Olhou para trás, viu a bagunça e levantou-se de um salto. Só para cabecear o bagageiro com um estrondo de fazer inveja ao ribombar das turbinas. Condicionado a anos de sala de aula, berrou: "Quem fizer bagunça vai pra fora!" O cândido sorriso no rosto de quase duzentos adolescentes fez o professor perceber que seria impossível cumprir sua ameaça. Aquele sim, teria sido um pequeno passo, mas um grande salto.

Mario Persona é consultor, escritor e palestrante. Esta crônica faz parte dos temas apresentados em suas palestras. Veja emwww.mariopersona.com.br

Esta crônica de Mario Persona pode ser publicada gratuitamente como colaboração em seu site, jornal, revista ou boletim, desde que mantidas na íntegra as referências acima.