CRÔNICAS DE NEGÓCIOS

Pra quê mudar, mudar pra quê?

No mercado norte-americano do século dezenove, fabricar velas era um bom negócio. A demanda estava aquecida, mas tinha pavio curto. Logo Thomas Edison daria à luz uma vela cujo pavio não apagava com o vento. Tão revolucionária que tiraria da vela tradicional a sua fatia do mercado de iluminação. Esta acabaria sem a fatia, mas com o bolo. Só que de aniversário.

A indústria de velas viu seu lucro virar fumaça. Nem a ver navios ficou, já que o vapor tinha aposentado aquela vela também. O próprio vapor já começava a se desvanecer, levado pelo vento dos motores a óleo e gasolina que passavam a mover navios e trens. Ou automóveis, com potência calculada em cavalos-vapor, ambos defuntos na evolução tecnológica, e pistões impulsionados por… velas! Parece confuso? Mudanças são assim. Parodiando um autor desconhecido, o progresso caminha de velório em velório.

Negócios acostumados com um sucesso linear são presa fácil das mudanças. Repousam sobre os resultados do aqui e agora, sem se importar com o ali e depois. Não percebem que quando o Sol se apagar ainda teremos oito minutos de praia, o tempo que a luz leva para viajar à Terra. Enquanto se bronzeiam num mercado em ebulição, alguém está inventando a lâmpada que selará sua extinção. Para apagar a velinha de seu último aniversário.

Lucro não é salvaguarda. De tanta prata, o vidro transparente da janela que permitia enxergar o mercado acaba virando espelho. Aí Narciso se esbalda com o reflexo de sua própria competência. Geralmente começa com uma direção embasbacada e contamina a produção. Quem irá dizer ao chefe que é preciso mudar? Todos preferem continuar fazendo pós-graduação em bajulação.

Há quem pense que mudar é comprar. Por isso, quando as coisas vão mal, compram, fundem e incorporam. Mesmo correndo o risco de uma obesidade mórbida, o peso que tem seu preço. Que também costuma ser pesado. Números que repentinamente duplicam, triplicam e quadruplicam podem impressionar investidores desavisados, mas em alguns casos não passam da visita da saúde. Os últimos estertores do moribundo.

Mudar também não é pular de estratégia em estratégia, sem paciência para esperar o galho parar de balançar. Isso gera confusão na cabeça da equipe, que vê cada nova direção como faz-de-conta. Desmotiva quem produz e desmoraliza quem conduz. Mudar é preciso. Vivemos numa época que não é só de qualidade contínua, mas de mudança contínua. Só que mudar por mudar é demolir sem construir. A diferença entre mudar para o fracasso ou sucesso fica por conta da criatividade.

De exemplos de mudança com criatividade o mercado está cheio. Empresas que mudaram radicalmente, mas nem tanto quanto o treinador que prometeu fazer seu time dar uma guinada de 360 graus, o que o colocaria no mesmo lugar. Em 1906 a Minnesota Mining and Manufacturing começava a partir de uma mineração falida, da qual só restavam resíduos de minério e pó. Alguém resolveu grudar aquele pó em folhas de papel e vender como lixa. Do pó renascia uma Fênix dos tempos modernos, transformando-se na gigante 3M, que incorporou uma cultura de inovação constante.

Às vezes a solução pode vir de um incidente com prejuízo aparente, como o causado por um operário da fábrica de velas que deixou sua máquina ligada ao ir almoçar. A matéria prima para sabão, um novo produto para compensar o apagão das velas, virou uma massa cheia de bolhas de ar. Se ainda fosse para fabricar velas, teriam inventado a velinha de bolo que já vem com sopro. Mas como era para sabão, decidiram não desperdiçar a produção. Sucesso absoluto.

No século dezenove, quando o rio ainda era o tanque de lavar roupa e a banheira de muita gente, o sabão — que sabidamente é liso como tal — podia ser considerado perdido se escapasse da mão. Sem querer, aquele operário acabara de inventar o sabão que boiava, graças à massa areada. O rio inteiro virou saboneteira. O "Ivory Soap" foi um sucesso tão grande que desbancou a decadente vela da linha de produtos da empresa fundada em 1837 por James Gamble e Harley Procter. A Procter and Gamble aprendia a importância de mudar e inovar.

Mario Persona é consultor, escritor e palestrante. Esta crônica faz parte dos temas apresentados em suas palestras. Veja emwww.mariopersona.com.br

Esta crônica de Mario Persona pode ser publicada gratuitamente como colaboração em seu site, jornal, revista ou boletim, desde que mantidas na íntegra as referências acima.