CRÔNICAS DE NEGÓCIOS
Gestão do conhecimento não é o fim da picada

Conto, se você prometer não rir. Nos livros, criar abelhas era a glória. Na vida real, foi outra história. Cansei de vagar pelo pasto levando uma bacia com água açucarada. A abelha vinha beber, eu marcava suas costas com um pingo de tinta e observava o rumo da decolagem. Cada uma ganhava uma cor e seu tempo de viagem era cronometrado. Foi assim que descobri a direção da colméia, se eu estava longe, perto, ou já tinha passado por ela. Você prometeu não rir.

Apicultura não é coletar mel e gestão do conhecimento não é coletar informação. “Mais de 90% do conhecimento da empresa está na cabeça das pessoas, e mudando o tempo todo”, disse Robert Buckman, que não é nenhum abelhudo em gestão. O que documentamos é só 10% do conhecimento, o chamado explícito. O resto é administrar o tácito, a cabeça das operárias. Marcar quem é quem, identificar seus casulos e mapear suas rotas é a tarefa de quem gerencia a densa fluidez do saber. Mapa na mão, fica mais fácil para qualquer um encontrar o mel sempre que precisar. Boy que é boy não toma mel, chupa abelha.

Encontrei a colméia num velho e sublocado cupim. Se pensa que é fácil adquirir conhecimento, experimente quebrar um cupim e tirar uma colméia de dentro. Levei até o livro que ensinava como transferir as abelhas para minha bela caixa de madeira azul, mas nenhuma delas leu. Fumaça nos olhos, talvez. Com a habilidade de um rinoceronte, destruí o cupim e os favos, mas não a colméia. As abelhas que não morreram de rir enxamearam num galho próximo, formando uma bola ali. Protegiam a rainha.

Identificar e proteger as fontes de conhecimento na empresa é uma questão de sobrevivência. Numa época em que os negócios, produtos e mercados não param de mudar, só o conhecimento garante a continuidade das empresas, que Sidney Winter descreveu como “organizações que sabem fazer as coisas”. Eu, por exemplo, nem imaginava como fazer. Para quem teve a idéia da bacia, o lógico seria esperar que meu próximo arrojo fosse um caldeirão.

Vestido num ridículo escafandro de pano, me aproximei com o enorme caldeirão de alumínio balançando na ponta de uma vara. Com uma mão tentava encestar o enxame. Com a outra, sacudia o galho, sem luvas para não perder o tato. Planejava colocar a tampa no caldeirão, quando a bola caísse. Ela caiu, mas levou o caldeirão junto para o chão. Não tão rápido como devia, coloquei a tampa com a mão nua. E já podia ver meus negócios crescerem, a começar pela mão. Ficou com o dobro do tamanho.

Deixar as operárias tocarem as antenas é adoçar a troca de conhecimento. É esta a sacada: a gestão do fluxo das abelhas, não do mel. Só mesmo uma vespa quadrada irá tolher o livre intercâmbio de conhecimento numa empresa. Antes o berro era “Parem de conversar e voltem a trabalhar!”. Alan Webber, autor de “What’s So New About the New Economy?”, agora sugere que seja “Voltem a conversar e não parem de trabalhar!”.

Ao contrário do que pensam os zangões, que gostam de resultados rápidos e têm vida curta, é preciso dar tempo para o aprendizado informal. Incentivar a cultura mestre-aprendiz num lay-out de vasos comunicantes aumenta a portabilidade do conhecimento. Os limites devem ser maleáveis como a cera, que mantém sextavados e unidos os alvéolos dos favos e não permite que o conhecimento escorra pela porta. Dá trabalho? Claro! Ignorar isto pode ser o fim da picada. Mais cômodo e indolor, porém não evita o reumatismo.

Um ditado que inventei agora diz que aonde a rainha vai, a colméia vai atrás. Portanto, com a frestinha da entrada devidamente reduzida para a rainha não fugir, agora só faltava despejar as abelhas na caixa de madeira. Só faltava? Você já tentou despejar um caldeirão de abelhas em um caixote e colocar sobre ele uma tampa de madeira um número menor? É claro que eu ainda tinha a outra mão intacta. Era a minha chance de fazer com que as duas ficassem do mesmo tamanho. Foi o que fiz, e com tamanha presteza, que só escapou uma abelha. A rainha.

Mario Persona é consultor, escritor e palestrante. Esta crônica faz parte dos temas apresentados em suas palestras. Veja emwww.mariopersona.com.br

Esta crônica de Mario Persona pode ser publicada gratuitamente como colaboração em seu site, jornal, revista ou boletim, desde que mantidas na íntegra as referências acima.