Prazer, muito prazer.

Prazer, muito prazer.
por Mario Persona



Ultimamente ando observando meu comportamento, minhas atividades e meu humor. Quando é que me sinto bem? Quando me sinto mal? Há muitas atividades ou situações que me fazem sentir assim ou assado — andar a cavalo, por exemplo. Mas vou mencionar apenas três: acordar cedo, falar e escrever. Estas me dão prazer.


A primeira deve ser uma questão de biótipo. Da infância eu me recordo de minha mãe cantando e passando enceradeira às 4 da manhã. Quando atingi a adolescência ela já tinha parado com a enceradeira. Estávamos na era do aspirador. Deve ter sido dela que herdei, não o aspirador, mas o bem-estar por acordar de madrugada. Quando acordo tarde fico deprimido.

A outra atividade que me dá prazer é falar. Adoro ensinar, explicar, palestrar. Quando termino uma palestra ou um treinamento — às vezes falando dois dias seguidos, oito horas por dia — meu corpo está um desastre, mas minha alma está feliz. Sinto um prazer indescritível. Portanto, se quiser me ver feliz, é só me contratar.

Não sei se somando esta atividade — dar palestras — com a outra — acordar de madrugada — terei prazer dobrado. Nunca testei. Talvez se você marcar seu evento para as quatro da manhã eu vou poder descobrir. Quem sabe eu faça a palestra em estado de êxtase, levitando a um palmo do chão? Para seu público, um evento às quatro da manhã seria a palestra de seus sonhos.

A terceira atividade é escrever. Quando termino uma crônica sinto-me revigorado e rio sozinho das bobagens que escrevo. Falei sobre isso outro dia, sobre os efeitos terapêuticos de escrever, mas foi no sentido de botar para fora seus sentimentos, fazer uma terapia no divã do teclado. Agora descobri que há outra razão para esse prazer, e deve ser a mesma de quando ensino ou dou palestras. Uma razão química.

Estava lendo “Naked Conversations : How Blogs are Changing the Way Businesses Talk with Customers”, por Robert Scoble e Shel Israel, quando decidi dobrar o canto de uma página — existe algum nome para dobrar o canto da página? Sim, eu faço isso, pinto e rabisco o livro quando leio, faço leitura interativa. Se alguém for ler depois? Bem vai ganhar uma versão comentada.

Mas sobre o que eu estava falando… ah! sim, sobre a página que li. Lá dizia que o Dr. Gregory S. Berns, professor de psiquiatria da Emory University, descobriu que o cérebro responde a diversos estímulos que cutucam o Striatum, um acessório do cérebro que segrega a dopamina. A substância parece ser liberada em doses maiores quando o dono do cérebro pratica atividades como sexo e jogo, gerando prazer e euforia. Drogas como a cocaína impedem que a dopamina saia de cena, prolongando a sensação de euforia.

Até aí nenhuma novidade. Mas o que chamou a atenção do doutor foi que esse tal de Striatum fica doidão quando a gente ajuda alguém. Isso mesmo, ajudar as pessoas faz o Striatum acordar mais cedo, cantar e ligar a enceradeira para liberar dopamina.

Deve ser por isso que me sinto bem escrevendo e ensinando, atividades que, remuneradas ou não, acabam ajudando alguém. O mesmo vale para o trabalho voluntário, a informação dada no trânsito ou o presente que você dá. Em suma: ajudar os outros dá prazer. Muito prazer.

Quanto? Bem, calcule você. Segundo o livro, quando ajudamos alguém o Striatum libera cinco vezes mais dopamina do que a quantidade normalmente liberada em atividades como sexo e jogo. Cinco vezes mais! Deixa o pessoal da terceira idade saber disso e os bingos vão ficar vazios. A onda vai ser tomar uma colher de altruísmo de meia em meia hora, passar pomada de voluntariado e sair por aí ajudando pessoas para ficar ligadão. E sentir prazer, muito prazer.

resenha resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões literatura literaturas comentário comentários

Satisfaction : The Science of Finding True Fulfillment
Gregory Berns

A brilliant scientist embarks on a journey to discover the answer to an essential question: How can we become truly satisfied?

In a fascinating investigation of the brain and its hunger for new experiences, Dr. Gregory Berns plumbs the lessons of fields as diverse as neuroscience, economics, and evolutionary psychology to find answers to the fundamental question of how we can find a more satisfying way to think and live.

A distinguished researcher, Berns bridges the gap between everyday experience and cutting-edge research by guiding the reader through the labs and hospitals where he and others are developing the science of how and why the brain is satisfied. We join him as he follows ultramarathoners across the Sierra Nevadas, enters a suburban S&M club to explore the deeper connection between pleasure and pain, partakes of a truly transporting meal, and ultimately examines his own marriage, where he faces the challenge of incorporating novelty into a long-term relationship.

In a riveting narrative filled with trenchant insights, Satisfaction proposes nothing less than a new way of understanding our own lives. By its conclusion, this truly inspiring book will convince you that the more complicated and even downright challenging a life you pursue, the more likely it is that you will be satisfied.