De vez em quando algum jovem me pergunta sobre qual carreira seguir. É uma preocupação importante, mas como avaliar uma carreira?

Se pudesse voltar no tempo, eu escolheria a carreira mais importante do mundo. Para começar, a escolha não seria baseada em salário. Antes de discordar, pegue uma lista de milionários e verá que a maioria continua trabalhando, apesar de suas fortunas. Eles teriam se aposentado há muito tempo, se trabalhassem apenas por dinheiro.

Se estamos falando da profissão mais importante do mundo, então ela não poderia estar entre mais recentes. Ainda que você ache sua profissão o máximo, se a humanidade sobreviveu sem ela até há pouco, não deve ser tão importante assim. A população do planeta conseguiria superar sua falta.

Estou falando de uma carreira milenar. Se acha retrógrado pensar assim, olhe ao redor e você encontrará profissões que têm servido a humanidade há milhares de anos. Agricultor, arquiteto, médico, carpinteiro, músico, metalúrgico… a lista é imensa.

Elas fornecem produtos e serviços sem os quais seria impossível a civilização tal qual a conhecemos. Então, a profissão mais importante do mundo precisaria também fornecer um produto, serviço, ou ambos.

Então eu gostaria de estar envolvido da produção ao aperfeiçoamento do produto. Mesmo que eu terceirizasse a produção e ficasse só com o aperfeiçoamento, nem por isso ela deixaria de ser a profissão mais importante do mundo.

Com ela a minha marca pessoal ficaria estampada em cada produto, e no futuro as pessoas se lembrariam de mim como responsável por seus benefícios. Já pensou ter uma carreira que perpetue seu nome por muitas gerações?

Pense numa profissão com o poder de influenciar os grandes líderes mundiais, ou que estimule a indústria, o comércio e a geração de empregos. É essa a profissão que eu gostaria de ter. Com ela, eu chegaria ao fim da vida na certeza de que minha carreira não foi em vão, e que de algum modo contribuí para o benefício da humanidade.

Minha carreira deveria permitir que eu continuasse nela mesmo quando perdesse a saúde ou a força física para as tarefas mais pesadas. Eu abriria mão da produção e da administração para ficar no conselho da empresa. Conselheiro! Sim, esta seria uma bela posição para coroar minha carreira.

Das pessoas que conheço atuando nessa profissão, algumas são felizes por poderem se dedicar a ela em tempo integral. Outras são obrigadas a acumular uma ou duas carreiras adicionais, porém isso não diminui o brilho da profissão mais importante do mundo.

Eu poderia trabalhar só ou em equipe, mas ainda assim minha participação individual seria lembrada e as pessoas saberiam que foi comigo que tudo começou. Não pense que eu esteja divagando; a profissão mais importante do mundo realmente existe, e se não fosse por ela eu e você não estaríamos aqui.

Infelizmente não é a minha profissão. Eu bem que gostaria de tê-la escolhido, mas não estava qualificado. Então, como uma espécie de prêmio de consolação, eu me contentei em seguir a segunda carreira mais importante do mundo. Ser pai.