CRÔNICAS DE NEGÓCIOS

Fazendo de seu canal um cannelloni

Mario Persona

Se a receita para fidelizar canais que você usou até agora era baseada nos "3 P’s" de Produto, Preço e Prazo, é hora de reinventar sua cozinha de distribuição. O prato principal de fidelização dos canais — aqueles seus clientes que conquistam outros clientes — ganhou novos ingredientes. Seu canal vai crescer e ganhar recheio. Vai virar "cannelloni"! Para ser servido quente em um mercado nem sempre aquecido. 

Se você insistir em manter a tradição de espalhar a letra "P" em sua estratégia comercial, como quem polvilha parmesão no prato, então capriche também em Provisão, Prazer e Promoção. Com Persistência, Percepção de mercado e gerando Pedidos. E invista no conceito da moda: Fidelização. Ou Phidelização, se você ainda insiste no antiquado "P". 

"Provisão" é o ingrediente que fará seu canal perceber que sua porção é generosa. O que vem de você é suficiente para ele fazer massa. Isto ajudará a mantê-lo satisfeito e fiel. Se sentir "Prazer" ao trabalhar com sua empresa, será como se tivesse tomado um bom e novo Lambrusco. Fresco e frisante, de estalar na língua. E se ele perceber as possibilidades de "Promoção", não mudará de caçarola. 

Na nova ordem de coisas, o tradicional canal vazio, da escrivaninha ensebada e do telefone preto, vai cedendo o prato para o infomediário. Ou para intermediário nenhum, já que o "cannelloni" recheado dos novos relacionamentos comerciais transforma a informação em conhecimento. Que gera ação, quando servido na bandeja da competência. É mais do que uma simples ponte entre vendedor e comprador. 

Em uma sociedade de assédio em rede, e livre de cercas, o canal deve ir além de apenas vestir a camisa. Deve sentir-se parte da família. Ou da "famiglia", porque o novo modelo é mafioso por natureza. Só que nesta família não há um "capo di tutti i capi". É a competência que puxa o gatilho e conquista territórios. Premia-se a fidelidade, metralha-se a incompetência. Espere! Não mate seus parceiros ainda. É apenas uma analogia. 

É claro que o "cannelloni" deve ser fresco. No sentido de novo. São os canais mais jovens os mais aptos a absorver o molho de uma nova cultura e tecnologia. Os velhos resistem. Pensam que as mudanças irão demorar mais que o tempo que querem ganhar de bandeja, antes da tão sonhada aposentadoria. Conquistar novos clientes é caro. Mas tratar velhos canais pode sair mais caro que substituir a dentição toda. Não é de um sorriso à la Da Vinci que sua empresa precisa. Em um mercado de competição acirrada, Mona Lisa precisa mostrar os caninos. Ou acaba lisa. 

A grande família de canais em rede é, na realidade, formada por pequenas famílias. Embora sua extensão seja global, o regional deve ser respeitado para ser conquistado. Ainda que todos metralhem em uníssono o mercado, a diversidade continua existindo. Do lado da empresa, o que permanece é o sotaque para guardar a identidade. Que, quando forte, cria o sentimento de sucesso da família. Ou de vergonha familiar na derrota. 

Mas ainda é cedo para dizer se o "cannelloni", o seu recheado canal de distribuição, irá permanecer incólume quando o molho espirrar para todos os lados. O poder da rede é muito grande e sua capilaridade cria mais pontos de venda que pontas em macarronada. E abre um mercado onde todos acabam sendo canais de todos. Quem é seu cliente? Quem é o cliente de seu cliente? Todos são clientes. E você é cliente de todos. Todos vendem, todos compram. Ora de um lado do balcão, ora do outro. Todos conectados. Todos afiliados. Todos apadrinhados. "Stranieri e oriundi". Uma mistura difícil de engolir para os mais conservadores. Uma aberração para quem nunca pensou em admitir civis em suas fileiras comerciais. Como nosso almoço do último sábado. 

Liguei para o restaurante pedindo uma porção de nhoque. Quem atendeu não tinha certeza se já havia terminado, portanto, se tivesse nhoque enviaria nhoque. Caso contrário, enviaria espaguete. O moto-boy entregou, nos sentamos à mesa, abrimos a embalagem e lá estava o estranho prato. Misturados, o pouco nhoque que ele conseguiu arrumar, com muito espaguete para completar. Que a "famiglia Fioretti Persona" comeu assim mesmo. Porque quando as condições de mercado exigem, o que manda não é a tradição. É a fome. 

Mario Persona é consultor, escritor e palestrante. Esta crônica faz parte dos temas apresentados em suas palestras. Veja emwww.mariopersona.com.br

Esta crônica de Mario Persona pode ser publicada gratuitamente como colaboração em seu site, jornal, revista ou boletim, desde que mantidas na íntegra as referências acima.