2010 – Uma Odisséia na Terra
por Mario Persona



Meio-ambiente é hoje um tema obrigatório e estratégico em qualquer empresa. Esta é a essência da mensagem de uma de minhas palestras de conscientização sobre os perigos do aquecimento global em eventos da Semana do Meio-Ambiente ou de segurança e qualidade de vida. Escrita na forma de diálogo para a produção de um vídeo, talvez faça mais sentido para você ver do que ler.


Terra: Mario, chamei você aqui pra conversar. Estou me sentindo tão abatida ultimamente.

Mario: Abatida? Você está detonada! Andou bebendo? Fumando? Comendo demais?

Terra: Pois é, Mario, é sobre isso que quero conversar, mas antes queria fazer uma pergunta.

Mario: Fique à vontade, se eu souber responder…

Terra: Não é nada difícil, só queria saber mais de você.

Mario: Você está dando em cima de mim, Terra?!

Terra: Imagine, sou muito mais velha do que você. Queria só saber quais as coisas que você mais detesta.

Mario: Só isso? Bem, deixe-me ver… hummm… já sei! Acabar de tomar banho e descobrir que alguém pegou minha toalha. Aí sou obrigado a me enxugar com o tapetinho ou com papel higiênico.

Terra: (risos e tosse) Assim você me mata, Mario!

Mario: É, e pelo seu estado não precisa muito, Terra.

Terra: E se não tiver papel para se enxugar? (mais risos e tosse)

Mario: Ah, é mesmo, essa é a segunda coisa que detesto. Acabar de fazer o serviço e descobrir que alguém acabou com o papel higiênico e não colocou outro rolo no lugar. Sabe o que mais? Pegar a escova para me pentear e descobrir que está cheia de cabelo.

Terra: Nossa! Que nojo!

Mario: Nojo? Então segura essa: ir ao banheiro e descobrir uma surpresa na privada. Sabe como é, aquele negócio lá, como se o seu dono tivesse dó de dar a descarga. Será que planejava voltar para matar a saudade? Ah, e por falar nisso, também detesto entrar no elevador e descobrir que alguém deixou… digamos… um cheiro forte e não era de perfume.

Terra: Já percebeu o que tudo isso tem em comum?

Mario: Como assim?

Terra: Alguém antes de você não se importou com quem vinha depois. Levou sua toalha, não colocou outro rolo de papel, usou a escova e não limpou, deixou de dar a descarga… e, afinal, quantos andares tinha esse prédio que o sujeito não foi capaz de esperar um pouquinho para soltar fora do elevador?

Mario: É mesmo, Terra, tem razão. Acabo sofrendo as conseqüências de quem passou por ali antes de mim.

Terra: Isso mesmo. Agora olhe para mim. Eu posso não ser parecida com elevador, mas certamente estou com cara de privada, não estou?

Mario: Eu não queria dizer isso, mas…

Terra: As pessoas que passaram por aqui, principalmente nos últimos cem ou duzentos anos, não se importaram nem um pouco com quem vinha depois. Você faria isso com seus filhos, Mario? Com seus netos?

Mario: De jeito nenhum. Meu netinho é a coisa mais fofa.

Terra: Já pensou em que Terra o seu netinho vai ser obrigado a viver?

Mario: Pára com isso, Terra, você está me deixando preocupado.

Terra: E é para ficar preocupado mesmo. O que estão fazendo comigo vai piorar muito a vida por aqui. Já ouviu falar no efeito estufa?

Mario: É, o pessoal anda falando muito nisso.

Terra: É muito ruim, Mario. Imagine ir à praia e, ao invés de ficar ali numa boa, alguém colocar você dentro de uma cabine de vidro. O sol vai entrar e esquentar, mas o vidro não vai deixar o calor sair.

Mario: Ai! Vai ficar abafado demais!

Terra: Isso mesmo. É o que está acontecendo comigo. Estão jogando tanta fumaça na minha atmosfera, que o sol me esquenta, mas o calor não se dissipa no espaço como antigamente.

Mario: Que coisa horrível, Terra. Mas o que causa isso?

Terra: Automóveis, fábricas, queimadas, tudo o que produz dióxido de carbono ajuda a causar o efeito estufa. Até cigarro. Uma pessoa que fume dois maços de cigarros por dia produz 58 quilos de dióxido de carbono em um ano!

Mario: Minha nossa! E detona a própria saúde, não é?

Terra: Exatamente. E tem mais, tem o gás metano.

Mario: Gás metano?

Terra: Lembra do elevador?

Mario: Hummm écaaa… O pessoal anda comendo muita batata doce, Terra?

Terra: Não, Mario, neste caso é o gado. Todo mundo gosta de uma picanha, mas pouca gente sabe que o metano me aquece 20 vezes mais que o dióxido de carbono. O gado é responsável por 18% do efeito estufa.

Mario: Você quer dizer que os bois e as vacas…

Terra: Isso mesmo Mario. Além de soltarem pum à vontade, você sabe que em pasto não tem botão para dar descarga, então o esterco fica lá, produzindo metano.

Mario: Mas as pessoas gostam de um bifinho, Terra.

Terra: Eu sei que gostam, mas precisam se lembrar de que para produzir um quilo de carne são gastos 6 quilos de cereais. Quantas pessoas você acha que dá para alimentar com 6 quilos de cereais?

Mario: Eu não tinha pensado nisso. E para criar gado é preciso derrubar as árvores, não é mesmo? E sem florestas as nascentes acabam se secando, os rios desaparecem, o solo vai secando…

Terra: Você lembrou de outra coisa importante, a água. Você sabe quanta água é gasta para produzir um quilo de carne de boi?

Mario: Não.

Terra: Quinze mil litros.

Mario: Minha nossa! Imagine para produzir um boi inteiro! E boi nem toma banho todos os dias…

Terra: Pois é, Mario, e você já percebeu que eu não consigo ficar maior do que já sou, não consigo produzir mais água do que aquela que já existe em mim, nem mais terras cultiváveis, mais recursos… Eu sou finita, Mario!

Mario: E como é que meu netinho vai viver se você continuar esquentando, as geleiras derretendo, as florestas desaparecendo…

Terra: Não vai, Mario. Uma hora ele vai ficar sem água, sem comida, sem ar respirável… Vai ser um desastre.

Mario: Tem alguma coisa que eu posso fazer para ajudar, Terra?

Terra: Muita coisa. Conte para as pessoas como minha saúde anda ruim, Mario. Diga a elas para economizarem água, papel, eletricidade, combustível. Diga para caminharem mais, usarem carros a álcool, plantarem árvores, reciclarem, levarem uma sacola ou carrinho para fazer as compras…

Mario: Ah, isso eu já estou fazendo. Comprei um carrinho de feira para economizar sacolinhas plásticas.

Terra: Isso é bom, Mario, vai me ajudar a rejuvenescer.

Mario: E como você quer ficar, Terra?

Terra: Eu quero ficar assim, ó.

Mario: Ô, Terra, você pode ficar lindona! O sol vai se apaixonar por você.

Terra: Deixa disso, Mario. Ele que fique lá e eu aqui. O importante agora é pensar em seus filhos e netos. Você não vai querer deixar eles descobrirem que você levou a toalha, acabou com o papel higiênico, deixou cabelo na escova, não deu a descarga e…

Mario: Tá, pode parar, já entendi. Detesto quando alguém faz isso comigo. A gente precisa pensar sempre em quem vem depois e deixar o lugar arrumadinho, né?

Terra: Isso mesmo. Agora diga a todo mundo o que nós conversamos.

Mario: Pode deixar, Terra. Gravei nosso papo e vou colocar no Youtube. Quem assistir vai querer passar para um amigo e, de grão em grão…

Terra: Chega de conversa mole, Mario, corre antes que os grãos acabem!

Mario: Sim senhora!

Terra: É.. homem é assim mesmo… sempre quer ter a última palavra.


P.S.: Você pode usar o vídeo ou este script para montar um diálogo ou peça e apresentar em sua empresa na Semana do Meio-Ambiente. Lembre-se apenas de mencionar quem é o autor, ok?

resenha resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões literatura literaturas comentário comentários

Uma Verdade Inconveniente
AL GORE

O novo livro do ex-vice-presidente americano Al Gore, Uma Verdade Inconveniente: o que Devemos Saber (e Fazer) Sobre o Aquecimento Global, faz parte de seu projeto de conscientização ambiental, que inclui palestras ao redor do mundo, em que são apresentados dados incontestáveis sobre a crise climática provocada pela ação do homem no planeta, além do documentário Uma Verdade Inconveniente – Um aviso global, de grande repercussão nos EUA e no mundo político.
A obra apresenta, de forma didática e envolvente, o resultado de toda uma vida dedicada à questão ambiental, cada vez mais inadiável. Com base em pesquisas realizadas por especialistas e instituições de renome, e compilando dados e exemplos no mundo inteiro, Al Gore produz uma obra eficaz de alerta sobre o aquecimento global. Narra também parte de sua trajetória de vida, focando os pontos-chave que o fizeram voltar a atenção para o ambiente. Uma Verdade Inconveniente esteve presente na lista de best-sellers dos EUA e venceu o Quills 2006, prêmio literário apoiado pela Reed Business Information e pela NBC, na categoria Histórias, Atualidades e Política.

Tags: cana, Canadá, petróleo, Monteiro Lobato, canadólares, petrodólares, monocultura, verde, ambientalistas, reflorestamos, canavial, biodiversidade?, melado, garapa, água, lavoura, feijão, lucro, economia, demanda, combustível, impacto ambiental, tecnologia, sobrevivência, arroz, álcool, metanol, ranking, exportações, minério, soja, dólares, renovável, alternativa, pastos, relatório, ONU, escapamento, poluentes, emissões, carros, fábricas, ativistas, carne, avestruz, leite, geneticamente modificada, vacas, transgênicas, leiteiro, flex, petrolista, rapadura, Verdade Inconveniente, AL GORE, conscientização, climática