Safra 1955
por Mario Persona



Hoje fiquei mais velho, ou mais experiente, mais maduro, mais próximo da terceira idade, melhor idade, seja-lá-que-idade-for. Mais velho, para resumir. Pelo Orkut descobri que a festa virtual é algo fora do normal. Ou acha normal ser lembrado por gente que você nunca viu?


Pois é assim mesmo. Muita gente dedicou alguns minutos de seu tempo para enviar parabéns. Gente que nunca vi, nunca conheci ou que jamais verei são meus amigos por lá. O que você faria se há vinte anos recebesse uma centena de cartões de pessoas que nunca encontrou? As coisas mudaram, não é mesmo?

Em 1955, quando cheguei, o mundo era muito diferente do que é hoje, embora alguns ícones daquela época continuem vivos na memória de todos. Alguém enviou um link para o site da Revista Isto É onde você coloca sua data de nascimento e ele cria uma versão online de um jornal de então. A notícia principal? Seu nascimento, evidentemente.

Lá descobri que naquele ano um novo ritmo fazia a juventude sacudir, embora no site diga “sacodir”. Será que existe “sacodir”? Pesquisei no Google e encontrei quinhentos e poucos “sacodir” contra quase 600 mil “sacudir”. Ganhou. Vamos sacudir.

Bem, o ritmo era o Rock and Roll, a moda eram os casacos de couro e as lambretas e Juventude Transviada com James Dean era sucesso no cinema. Só não diz em qual cinema, porque na época o filme só chegaria no Brasil depois da morte do ator no mesmo ano.

Já que o papo lá está pela hora da morte, morreu também a Carmem Miranda no ano em que nasci, porém nasceu a Disneylândia, enquanto o estúdio Disney colocava em cartaz A Dama e o Vagabundo. A música nas paradas internacionais era Johnny Guitar e no Brasil, O Menino da Porteira e Saudosa Maloca.

Se vai ter festa hoje? Demais da conta, em todas as ruas e clubes, mas não tem nada com meu aniversário e é bom eu deixar isto bem claro para que não mandem para cá a conta do bufê. Se vou ganhar presentes? Bem, depende de você. Mas não se preocupe, já tenho tudo o que tenho. Mas gostei de um presente que ganhei: flores.

Bem, na verdade ganhei um quadro de flores, mas descobri que não era natureza morta não. Era bem viva. E quem pintou foi o Pintor em minha janela. Se for até lá vai descobrir o que penso da experiência do envelhecer.

resenha resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões literatura literaturas comentário comentários

Feliz Aniversário, Snoopy
CHARLES M. SCHULZ

Snoopy completa 55 anos em 2005. O beagle mais querido do mundo dos quadrinhos e sua turma têm mais de 340 milhões de tiras impressas em mais de 2600 jornais em todo o mundo. No Brasil, os livros desta turma são publicados pela Conrad Editora.

Em Snoopy, Feliz Aniversário, toda a turma vive dias de aniversários especiais: o aniversário de Snoopy, de Beethoven, do Barão Vermelho, do avô de Charlie Brown… Cada aniversário traz situações cômicas e idéias originais sobre presentes, velhice e amizade.

Snoopy nos ensina as lições do dia-a-dia com um delicioso sorriso que convence de crianças a adultos, de fãs de quadrinhos a professores universitários, como o italiano Umberto Eco, autor do best-seller O Nome da Rosa (e que escreveu ensaios sobre Peantus). Tudo isso faz com que Charlie Brown seja hoje um dos 200 maiores ícones da cultura pop, segundo a conceituada revista People.