Sem palavras
por Mario Persona



Sem palavras

Como não tinha palavras para expressar o que sinto e desejo para meus leitores nesta virada de ano, decidi escrever uma crônica com o mesmo título: “Sem palavras”. Deixo para você pensar o que achar que eu pensei que gostaria de dizer. O ano novo é seu, faça dele o que imaginar que eu gostaria que você fizesse.


Mesmo assim, para não deixar essa virada do ano em branco – embora muita gente prefira a cor – vou… Não! Não se preocupe, não é mais um cartão igual aos milhares que já recebeu. Não é nem meu o que vou lhe dar. É emprestado.

Viu como sou original? Não envio mensagens minhas. Empresto. Recebi esta de meu amigo Minarelli, um expert em neworking e aconselhamento de carreira de executivos. É diferente de tudo o que recebeu. É para seus ouvidos e para seu coração. Sua sensibilidade.

Antes de ouvir, faça uma pausa. Feche os olhos, desacelere. E clique em www.lensminarelli.com.br/anonovo Depois respire fundo e leia a crônica de hoje em silêncio, “Sem palavras”.

Mario Persona


Sem palavras

A luz vermelha invadiu o palco improvisado e engoliu uma fatia de escuridão. Sob seu foco surgiu um velho televisor, ou o que restava dele. Comprada numa loja de restos eletrônicos, a velha caixa de madeira já não tinha cinescópio ou válvulas. Era oca e vazia, como a minha cabeça de então.

Por trás de uma tela de plástico rígido acostumada com o Repórter Esso a platéia viu aparecer meu rosto pintado. O resto do corpo estava semi-oculto sob o palco. Eu me contorcia, como quem está desesperado para sair da telinha por onde todos querem entrar.

Palco e platéia pertenciam à faculdade onde cursava meu primeiro ano de arquitetura. O show insano era a forma improvisada que encontramos para entregar um trabalho em grupo sobre a imprensa aprisionada pela repressão de então. Ao invés das maçantes folhas datilografadas decidimos entregar uma peça de não sei o quê.

Principiantes teatrais, pintamos uns aos outros com tinta guache escolar, sem imaginar o incômodo que aquilo traria ao secar. As caretas horríveis que fazíamos, torturados pela coceira e pelo ardume da tinta seca sob o calor holofotes, acrescentavam um toque dramático ao visual.

Torcíamos jornais para derramar um sangue de guache vermelho embebido em esponjas entre suas páginas. Fazíamos gestos atrás de um biombo de papel vegetal iluminado, criando um efeito de teatro de sombras, porém sem ensaio e sem sentido. Estripulias, danças, saltos e gritos loucos, tudo valia para manter a platéia na expectativa de que algo estava para acontecer.

Mas nada aconteceu, não tínhamos coisa alguma para fazer acontecer. Quando a luz se acendeu, vimos uma platéia equilibrando pontos de exclamação na testa. Como eles, não fazíamos idéia do significado daquilo tudo. Esperamos pelo pior.

A professora parecia embasbacada. Confessou que não tinha palavras para se expressar e gaguejou um “excelente”. Mesmo assim, ainda quis a interpretação de tudo aquilo por escrito para documentar. Aí fomos nós que ficamos surpresos. Antes que a vaca fosse pintada de guache para o brejo, alguém teve a idéia de pedir se podíamos entregar no dia seguinte o não sei o quê devidamente datilografado e encadernado. Colou.

Então a professora que estava sem palavras falou. E como falou! Falou do significado que aquilo tudo tinha, explicou cada movimento nosso, cada loucura, cada grito, cada gota de suor. Até as máscaras de guache ganharam um significado que ignorávamos. Enquanto ela falava, alguém do grupo anotava.

No dia seguinte, o texto datilografado recebia um dez. Por uma incrível coincidência, nossa interpretação da peça coincidia exatamente com o que a professora pensava. Foi aí que aprendi o significado da máxima de David Ogilvy: “Comunicação não é o que você diz; é o que os outros entendem”.

resenha resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões literatura literaturas comentário comentários

David Ogilvy: uma Autobiografia
DAVID OGILVY

Se lhe faltavam credenciais ou dinheiro, David Ogilvy compensava isso com inteligência, talento e inventividade. Tornou-se a quinta essência da publicidade, um revolucionário, cujo impacto na profissão ainda repercute até hoje.

Suas campanhas brilhantes ultrapassaram a publicidade bem-sucedida, originando vários ícones culturais. Muito antes de agitar a Madison Avenue, David Ogilvy teve experiências e aventuras fascinantes. Quando a Primeira Guerra Mundial deixou a família em situação financeira crítica, David foi estudar com bolsas de estudo em colégios da alta burguesia. Abandonou os estudos em Oxford, pondo-se a caminho em uma estrada às vezes surpreendente, às vezes turbulenta. Trabalhou como cozinheiro em Paris e vendeu fogões a freiras na Escócia.

Essa jornada notável levou o jovem ambicioso à América, onde, com George Gallup, dirigiu um serviço de pesquisas para os magnatas do cinema de Hollywood; depois, foi fazendeiro na Pensilvânia, onde se apaixonou pela comunidade amish; e na Segunda Guerra Mundial, ei-lo trabalhando no serviço secreto inglês em Washington. Aí, com a ajuda de seu irmão, Ogilvy conseguiu um emprego na Mather & Crowther, uma agência de propaganda em Londres. O resto é história.

Um empresário inovador, um grande narrador, uma lenda genuína em sua própria vida. David Ogilvy é excepcional. E sua autobiografia também. DAVID OGILVY é o fundador da Ogilvy & Mather, uma das dez principais agências de propaganda do mundo.