Exposição
por Mario Persona



Exposição

A exposição do que uma caixa de sabão em pó é e faz normalmente passa bem pela aceitação do mercado. Mas ainda existe preconceito contra a exposição de marcas e competências pessoais, talvez pela grande carga cultural que recebemos de que não devemos “fazer propaganda” de nós mesmos. Sempre que nos expomos ficamos sujeitos ao bom tempo, mas também às tempestades críticas. O que fazer?


Se nos detivermos a escutar todas as opiniões, nunca vamos sair do lugar. Que o profissional hoje deve se expor, não resta dúvida. Que isso poderá ser mal interpretado, idem. Porém, com a mudança do paradigma do emprego para um paradigma de prestação de serviços, existe a necessidade de cada profissional trabalhar muito bem sua imagem e pregá-la no poste da exposição pública. Para ser conhecido por muitos, contratado por alguns e execrado pelo resto. A pergunta é conhecida: Por que razão ninguém come ovos de pata? Porque pata não canta quando põe ovos. A galinha sim.

Quem já morou nos EUA sabe que lá existe uma cultura diferente a respeito disso. Desde a escola as pessoas são estimuladas a se expor, em discursos, apresentações artísticas, teatro, esportes etc. Até em enterro tem um monte de gente, inclusive jovens, que faz discursos. Numa high school lá eu morria de vergonha quando via colegas de classe ir à frente e declamar um poema como se estivessem em um palco, e isso numa aula equivalente a uma aula de português aqui.

Uma amiga me avisou que virei tema de comentários (todos negativos) numa comunidade chamada “As piores descrições do Orkut”.* Ali fui chamado de Pavão, “maria-vai-com-as-outras”, autor de auto-ajuda, mané, modorrento, spammer, “rei-do-marketing-palestrante-motivacional” e outros adjetivos chulos que prefiro não repetir aqui. Pelo jeito as 15 pessoas que dedicaram seu tempo a tecer críticas visitaram meu site, meu blog e leram algumas de minhas crônicas.

Diverti-me um bocado com os comentários. Por que? É que tinha acabado de assistir Piratas do Caribe com a atuação ímpar de Johnny Depp no papel do Pirata e chamou minha atenção um diálogo que ocorre entre ele e o Comodoro, logo após o Pirata salvar do afogamento a mocinha prometida ao Comodoro:

Comodoro Rorrington [examinando os pertences do pirata que acaba de ser algemado]: Só um tiro e nenhuma munição extra. Uma bússola que não aponta para o Norte… [examina a espada] e eu quase esperava que fosse feita de madeira. Sem dúvida alguma você é o pior pirata de quem já ouvi falar.

Pirata Jack: Mas você já ouviu falar.

* O link só funciona para quem faz parte do Orkut.

resenha resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões literatura literaturas comentário comentários

Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra
JOHNNY DEPP, GEOFFREY RUSH, ORLANDO BLOOM, KEIRA KNIGHTLEY

O produtor Jerry Bruckheimer (Pearl Harbor) e o diretor Gore Verbinski (O Ratinho Encrenqueiro) apresentam esta grande aventura PIRATAS DO CARIBE: A MALDIÇÃO DO PÉROLA NEGRA. A vida do pirata ,Capitão Jack Sparrow (JOHNNY DEPP), vira de cabeça para baixo depois do grande castigo. O astuto Capitão Barbossa (GEOFFREY RUSH) rouba seu navio, o Pérola Negra, e ataca a cidade de Porto Royal, raptando Elizabeth (KEIRA KNIGHTLEY), a linda filha do governador. Num ato heróico para resgatá-la e recuperar o Pérola Negra, Will Turner (ORLANDO BLOOM), amigo de infância de Elizabeth, junta forças com Jack. O que Will não sabia é que uma antiga maldição condenou Barbossa e sua tripulação a viverem para sempre como mortos-vivos. Suspense repleto de aventura, cheio de ação, mistério, humor, personagens inesquecíveis e efeitos especiais jamais vistos fazem de PIRATAS DO CARIBE um grande filme.