É importante ficar atento às oportunidades, ou elas passam e a gente só comenta o que passou. Um ditado búlgaro diz: “Agarre a oportunidade pela barba. De costas, ela é careca”.

Quem trabalha com assessoria de imprensa sabe que o segredo para conquistar espaço na mídia é transformar algo em notícia. Os que lançaram a Bruxa de Blair fizeram isso muito bem, inclusive limitando a poucos cinemas o lançamento, para gerar tumulto, atrair a polícia e a imprensa.

A distribuição do livro estimulada pelo www.bookcrossing.com é uma idéia genial, mas é mais genial ainda o marketing que está atrás da beneficência. Foi essa a intenção clara dos criadores do site e qualquer um pode aproveitar o bonde e embarcar nele, capitalizando em cima da idéia. Veja este exemplo.

No dia 11/09/2003 a seção Tô Ligado, da Tribuna Impressa de Araraquara publicou uma matéria a respeito do www.bookcrossing.com. A oportunidade tinha passado uns dias antes quando o buzz aconteceu e alguns embarcaram na história. Embarquei, escrevendo uma crônica a respeito, tanto por achar a idéia sensacional como por enxergar nela uma oportunidade de publicidade (veja que publicidade é fazer algo para ser notícia, enquanto propaganda é pagar fortunas para pouco resultado na maioria dos casos – leia “A Queda da Propaganda” de Al Ries – sorry, este não vou largar tão cedo…)

Vamos aos números da oportunidade. Minha crônica foi para + de 5.000 assinantes e circulou em pelo menos duas listas que conheço (postei na WideBiz e outra pessoa postou em uma lista onde não participo), totalizando ambas umas 1.200 pessoas. Agora sai a matéria em jornal impresso para uma estimativa (do jornal) de 20 mil leitores citando meus três livros pelos títulos, além de meu site www.mariopersona.com.br onde estão meus outros serviços.

Embora tenha chamado minha mobilização de “mais eficiente”, ao se referir à minha crônica “Livro-Bomba”, a jornalista disse que fiz isso “velhacamente”! Pode!?? Veja este trecho:

Mais eficiente foi a mobilização promovida pelo escritor Mário Persona, que divulgou a corrente entre os 5 mil assinantes do boletim de seu site ­ www.mariopersona.com.br. Recebeu centenas de retornos positivos.

Velhacamente, ele deve deixar na universidade em que dá aulas exemplares dos seus três livros publicados ­“Gestão de Mudanças em Tempos de Oportunidades”, “Receitas de Grandes Negócios” e “Crônicas de Uma Internet de Verão”. Assim aproveita e os divulga. Aliás, considerou, mais do que uma boa idéia, uma grande sacada de marketing a do site que iniciou a corrente. “Ele gerou uma publicidade monstruosa e eficiente a custo zero”, destaca.

Persona acredita que o maior estímulo funcionará sobre o doador do livro. “O prazer de quem está doando é maior, porque sua imaginação é que vai trabalhar, se perguntando ‘quem será que vai receber?’, ‘será que vai ser tão bom para ela?’. Isso é estimulante”, comenta. [Para ler a matéria na íntegra, clique aqui]

Tudo bem, vou dar um desconto para o “velhacamente”. Na verdade cheguei a pegar alguns livros daqueles que precisava me livrar (não li, ou li mas é ruim), mas mudei de idéia achando que isso seria investir pouco valor na proposta. Então peguei meus próprios livros, os quais compro com desconto de autor, e deixei na faculdade, onde todo mundo me conhece.

“Receitas de Grandes Negócios” ficou na sala dos professores e “Gestão de Negócios em Tempos de Oportunidades” ficou no laboratório de informática, desaparecendo poucos minutos depois. Foi tudo feito meio às pressas, e a etiqueta que colei na capa não ficou muito boa, mas vou melhorar. Falta deixar o “Crônicas de uma Internet de verão”.

Comentei com meus alunos que faltava passar este adiante, e um deles enviou um e-mail para a classe:

“Visitei esse site www.bookcrossing.com que o Prof. Mário Persona recomendou e achei muito interessante, já me inscrevi nele inclusive. Vale à pena. É uma idéia muito interessante. Também imprimi minhas etiquetas e vou ‘deixar’ uns livros velhos por aí, só pra ver se funicona mesmo, sabe. Agora, Professor, você bem que podia deixar esse último livro lá pelo corredor do 6º Admin. A, hein?!!”

Taí, a moda já pegou. Depois passarei a deixar outros que não vou ler outra vez. Já fiz isso com quase minha biblioteca inteira, uma vez em 1981 ao voltar de Alto Paraíso (deixei tudo na escola de lá) e outra em 1987 quando me mudei de São Paulo para Limeira, mantendo nos dois casos apenas os livros que precisaria ter para consultar (só sinto falta de uma enciclopédia de grandes pintores…).

Na verdade gosto de presentar livros, pois acho que é a coisa mais útil que alguém pode ganhar. Pelo menos se o livro for excelente, evidentemente. A organização chamada Gideões Internacionais faz isso desde 1899 tendo distribuído gratuitamente UM BILHÃO E CEM MILHÕES do Livro dos livros (Novo Testamento). Eles são “abandonados” em hotéis, escolas, hospitais e presídios.

Segundo o site da organização, hoje são distribuídos 1.157.793 livros por semana, 165.400/dia, 6.891/hora; 114/minuto. Quase duas centenas, só no tempo que você levou para ler este texto.