Cheguei! Nos próximos dias sou cobaia de um projeto de home-office, vivendo dentro duma gaiola de vidro e fazendo gracinha para o público em troca de amendoim para o Fome Zero. Levei ao pé da letra a máxima do marketing que diz que você precisa inovar, surpreender e correr riscos.
Estou instalado na Casa Contêiner do 12° Salão de Novos Negócios promovido pela Lemos Britto. Antes de me instalar, visitei o Prédio Inteligente, tendo como cicerone um velho amigo da comunidade WideBiz José Roberto Muratori, presidente da Associação Brasileira de Automação Residencial e um dos responsáveis pelo projeto. É show. Vale a pena conhecer. Só para falar de passagem, tem interruptores programáveis para fazer de tudo, conexão para aspirador no rodapé, elevador movido a vácuo (acho que é isso) e casinha de cachorro com alimentador via Internet.

Teca, Peterson, Amanda, Eliane, Antonio, Ricardo, Fernanda e Mario
Além de mim, estão morando na Casa Contêiner: Eliane (arquiteta), Fernanda (jornalista), “Teca” (designer), Amanda (estilista), Antonio (publicitário), Ricardo (padre) e Peterson (empresário). Gente finíssima. Algumas fotos você já encontra aqui. Outras eu vou colocar neste blog já, já. Além desses 8 profissionais, há vários jornalistas que se revezarão (4 de cada vez) morando aqui. Esta noite eles passaram na Casa Inteligente, pois faltaram alguns retoques nas suites. Correria de feira é assim.
A Casa Contêiner tem 4 suites duplas (2 masculinas, 2 femininas) e 4 simples (jornalistas), um home-theater, capela, sala de ginástica, sauna, sala de imprensa com micros, impressora, fax, projetor multimídia, videocassete e rede wireless acessando Speedy. A cozinha é um espetáculo e o serviço idem. No centro de tudo isso, uma sala de estar, tudo com teto transparente, exceto banheiros. Algumas paredes também são transparentes, dando para os corredores do Salão. Você vê o projeto nest blog em meu texto de 26/07/03.
Há ainda um “jardim” externo fechado, com máquinas de salgadinhos, doces, refrigerantes, sucos e cafezinho de todo tipo. Gente! Deram uma chavinha com acesso livre para essas máquinas. Estou me sentindo criança outra vez. 🙂
O engraçado é que você pode almoçar todos os dias em um restaurante e ninguém pára para olhar. Aqui, enquanto jantávamos, tinha um monte de gente parada no corredor olhando a gente jantar! Uau! Ninguém fica me vigiando na hora de comer desde a infância, quando mamãe queria ter certeza de que eu estava me alimentando bem. Pelo jeito ela não perdeu o costume e mandou espiões.
Uma passarela sobre a casa permite também que os visitantes vejam o interior através do teto transparente. Isso só entre 16:00 e 22:00, horário de funcionamento do Salão. O resto do tempo a gente trabalha sem precisar fazer pose de quem está trabalhando.
Já que cada ambiente foi decorado por um ou mais profissionais diferentes, tem de tudo um pouco. Tirando o cheiro de tinta e cola (espero não ficar doidão com isso!), estou me sentindo morando nas páginas da Casa Cláudia. Sim, instalaram câmeras por todo lado, mas até agora não foram ligadas. Estão fazendo os últimos acertos na rede para botar a imagem na Internet. Nenhuma delas tem o objetivo de ser indiscreta, já que a idéia aqui é mostrar gente trabalhando em casa.
Vou aproveitar para fazer meu merchandise espalhando meus livros Gestão de Mudanças em Tempos de Oportunidades, Receitas de Grandes Negócios e Crônicas de uma Internet de Verão estrategicamente sob as câmeras (eh! eh!). Você vai poder observar o pessoal aqui, clicando em “câmeras ao vivo”.
Como sou de dormir pouco, já estava de pé antes das 5 da matina. Como de costume, fiz minha leitura da Bíblia e parti para o trabalho, enquanto espero o pessoal acordar e o café da manhã chegar. Essa sempre é para mim a melhor hora. Silenciosa (apesar de ouvir o trânsido de alguma rua próxima), é a hora que meus dois neurônios, oTico e Teco, parecem se dar bem (depois eles começam a brigar e nem eu me entendo). Pena não ter uma janela para ver o céu e o sol nascer, como em meu apartamento em Limeira. Mãs não tem nada de prisão não, nem a sensação.
Daqui a pouco ligam a Internet nas suites onde vou poder trabalhar com meu notebook (opção minha, pois há micros para todos). Enquanto isso uso a sala de imprensa. Para descansar do trabalho, existe a opção de pintar cerâmica. Isso mesmo, pintar cerâmica oferecida pela ArteHobby. Acho que dificilmente alguém se dá bem sem alguma atividade artística. Eu escrevo, mas já pintei muito e desenhei também.
Bom, vou parar por aqui, mas pretendo voltar. Se você tem alguma pergunta, curiosidade, dúvida etc., escreva para mim e respondo por aqui. A experiência é interessante e deve valorizar o trabalho em casa como uma opção inteligente e viável. Até daqui a pouco.