Além do odiado SPAM diário, que filtro com o software brasileiro grátis EmC Email Control, costumo receber boletins que assino para analisar. Um que traz prazer, e é considerado referência, é o boletim da Land’s End. A loja de roupas entendeu que ninguém está interessado em receber ofertas de produtos, mas informação agradável, que ensine e traga prazer de ler. A Land’s End entrou na Internet em 1995 e nunca deu prejuízo, só lucro. Será que sua abordagem simpática ajudou?
Se alguém ainda não percebeu, minhas Crônicas de Negócios enviadas a mais de cinco mil assinantes, e passadas adiantes para nem imagino quantos, é minha publicidade. Se eu ficasse disparando e-mails, fazendo spam, gritando o que faço ou vendo, alguém se interessaria? Não!!! Por isso preciso dar algo de valor – um texto agradável de ler – se quiser ganhar a atenção de alguém. Hoje a batalha é pela atenção do cliente.
Quando ficou fácil e barato fazer propaganda, a disputa não é pelo acesso a um banco de endereços ou mala direta. Isso você compra em qualquer esquina e vai ajudar muito a queimar sua marca. Você precisa ter acesso à atenção do cliente, e é a informação de valor, boas histórias, causos, que ajudam nessa hora, por e-mail ou não.
Algumas empresas acordaram para isso também no meio impresso. Recebi recentemente um prospecto do supermercado BIG que se sobressaiu em meio ao monte de papel que recebo e vai direto para o lixo. Este trazia uma promoção de queijos e vinhos, mas não era propaganda pura e simples. Era um manual, bem resumido, sobre assunto, com a história dos diferentes tipos de vinhos e queijos. Separei para ler no banheiro – o local ideal para a leitura de amenidades – e acabei lendo inteiro. No dia seguinte fui lá comprar queijos e vinhos. Com suas historinhas de regiões vinículas e origem dos queijos eles conseguiram conquistar o que é cada vez mais difícil de conquistar num mundo de excesso de informação e constantes distrações: minha atenção.